quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Abuso Sexual Infantil - Precisamos falar sobre isso - Por Fabiany Lima

De acordo com o Ministério da Saúde, vinte crianças de até 9 anos são atendidas por dia pelo Sistema Único de Saúde (SUS) após sofrer algum tipo de violência sexual. Um outro levantamento da Secretaria de Direitos Humanos aponta que 4800 crianças e adolescentes foram vítimas de violência sexual só no primeiro trimestre de 2015.

Os dados chamam a atenção e nos alertam que o abuso sexual infantil não deve ser um tabu dentro de casa. Por mais inconveniente que seja, precisamos falar sobre o assunto com os familiares, professores e até com os próprios filhos.

O primeiro passo para prevenir o abuso sexual é saber identificar em quais situações esse tipo de violência pode ocorrer. Ao contrário do que costumamos imaginar, o abuso sexual pode não envolver contato físico direto. Por exemplo, conversar com crianças sobre atividades sexuais ou mostrar a elas fotos e vídeos pornográficos de outras crianças já é considerado um abuso sexual.  Imagem

O maior desafio para os pais é explicar essa complexa relação aos seus filhos. Expor a verdade e mostrar exemplos da vida real podem apavorar as crianças, principalmente as mais pequenas. No entanto, omitir-se e acreditar que os filhos não precisam de instrução é ainda mais inadequado.

Diante dessa situação, o ideal é ter uma conversa um pouco mais “leve” com os pequenos. Tente explicar de maneira lúdica que pedidos estranhos vindos de adultos podem fazer mal a eles. Mostre à criança que ela é dona de seu corpo e que ela tem o direito de negar algum toque ou carinho que não esteja agradando, mesmo se for de alguém da família.

Acima de tudo, incentive seus filhos a reagir, a dizer não e até a gritar ou correr em último caso. Tenha sempre papos sinceros e mostre que você pode ajuda-lo caso alguém ou alguma situação o incomode. Por fim, tenha atenção especial para os conteúdos que seus filhos acessam pela internet. Em muitos casos, a violência sexual começa no mundo virtual, portanto vale à pena saber que tipo de sites, redes sociais e aplicativos são consumidos pelos pequenos. Por outro lado, apresente às crianças conteúdos educativos e que tragam boas lições. Dessa forma, seus filhos estarão mais espertos e atentos a possíveis abusos sexuais.

*Fabiany Lima é mãe de Gêmeas, escritora de livros infantis e criou o aplicativo Timokids, que oferece livros e jogos socioeducativos com ilustrações em 3D narrados e legendados em 3 idiomas e que estimula a interação da família.

Como denunciar - UNICEF
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário