sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

"Meu filho não me obedece"

MAE BACANADesde muito cedo a criança segue as orientações dadas pelos pais, ou por quem cuida dela, e assim vai desenvolvendo o seu jeitinho de pensar e agir. Por isso é muito importante ensinar o que pode e o que não pode, não só para orientar, mas para dar segurança. Os limites oferecem segurança e estabilidade emocional à criança.
 
Há quem acredite que crianças muito pequenas devem ter toda a liberdade para um melhor desenvolvimento, e isso é mesmo muito importante, porém dentro da liberdade deve existir limites. Limites do que pode e do que não pode.
 
Como diz o ditado: "Se conselho fosse bom, a gente não dava, vendia", mas a experiência do outro pode sim nos ajudar a mudar algumas situações na nossa vida. É assim a coluna Funcionou Comigo, da Revista Crescer. E nós estamos lá dando uma ajudinha para a mãe Pâmela que está com dificuldades para mostrar autoridade para a filha que só tem sete meses.

Por aqui confiamos sempre no nosso tom de voz para chamar a atenção dos meninos para algo que não era legal e tivemos bons resultados. Praticamos a liberdade com limites. Então aconselhamos a Pâmela a fazer o mesmo, sem brigar, apenas mudando o tom de voz para que a filha perceba a diferença.
 
Outros pais deram conselhos bem bacanas, como: apostar na repetição, mudar o foco de atenção da criança, respeitar o tempo dela e ter muita paciência, mas não deixando de perder a autoridade, com carinho e atenção. 
 
Segundo a especialista Vera Zimmermann, Psicanalista e Coordenadora do Centro de Referência da Infância e da Adolescência da UNIFESP, é sim muito importante dizer o que pode o que não pode. Segundo ela, no primeiro ano de vida a linguagem verbal ainda não é a principal forma de comunicação e devemos usar a linguagem de sinais e expressões faciais. Assim podemos mostrar à criança nossa satisfação e insatisfação para algo. Depois dos 2 e 3 anos a criança já começa a compreender os códigos verbais.
 
E quem disse que esses ensinamentos terminam tão cedo? Que nada! Os filhos estão sempre nos testando para saber quais os novos limites. Com 7, 8, 9 anos ainda temos muito que ensinar e muitas vezes as coisas parecem sair do controle, mas somando paciência, respeito e dedicação a gente consegue.
 
E por aí, como anda obediência dos filhos?
Comentários
4 Comentários

4 comentários:

  1. Ainda está cedo, rs São somente 3 meses de nascida rs...
    Mas eu concordo com a Vera e outros especialistas, há de explicar "sim" e "não". Tipo, na casa dos meus sogros, onde sempr em qualquer casa com avós onde eles prejudicam a criação do neto, eu já fui claro: quando for "sim" é ok, "não" é não e ponto. Estamos aqui para que eles aprendam, e nós, pais, tb. :) bom fim de semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jorge! Também acho importante que as crianças percebam, e respeitem, as diferenças de limites na casa dos avós e amigos. Abraços!

      Excluir
  2. Está difícil amiga, tem rolando muito conversa, muito cantinho do pensando, tem melhorando mas está longe do espero.

    Tri-beijos Desirée
    http://astrigemeasdemanaus.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Desirée! E bota paciência nisso né amiga? Converso com outras mães de amigos e as dificuldades em impor limites é sempre a mesma, seja para uma criança pequenas como para as crianças maiores. O mais importante é que a gente persista. Beijos

      Excluir