segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Você está sempre conectado?

Se você está lendo esse post agora, obviamente está conectado. E quem não está? Estar conectado significa estar ligado no mundo, nos acontecimentos, nas relações, nas mudanças, no entretenimento... Nossa conexão com as pessoas e informações deixou de ser somente entre os nossos familiares, amigos, colegas de trabalho, vizinhos, funcionários, professores, médicos... As pessoas próximas a nós. Nossa conexão foi ampliada para qualquer lugar do mundo que desejamos.

Hoje você não resgata somente velhas amizades nas redes sociais, mas amplia seus contato fazendo parte de novos grupos e "conhecendo" gente de qualquer parte do planeta. Você não usa apenas seu computador e e-mail, mas seu smartphone, tablet e acesso a quantas redes sociais desejar. Acorda conectado e dorme conectado. Vive plugado. Está sempre carregando baterias, informações e equipamentos.
O QUE ESTAMOS ENSINANDO AOS NOSSOS FILHOS
Imagem

É fato que a internet nos permite uma infinidade de oportunidades, desde que saibamos fazer uso dela. Uso das informações, dos relacionamentos e do nosso precioso tempo. A internet e as diversas tecnologias associadas podem trazer qualidade nas informações que recebemos e compartilhamos, nos relacionamentos que temos, nas oportunidades de trabalho e de negócio e muita, muita diversão. Mas qualquer excesso pode se tornar prejudicial e quando o uso é excessivo pode ser um sinal de que as  nossas relações estão perdendo o foco. Relação com o mundo, com as pessoas e com nós mesmos.  Quando conectados excessivamente adquirimos o hábito de priorizar a vida virtual e deixar de lado a vida real.

Dentro desse cenário, o que estamos ensinando aos nossos filhos? Desde muito cedo podemos transmitir a ideia de que a conexão virtual vale mais do que a conexão real. Quando a criança nos chama a atenção para o desenho que fez na escola e estamos ocupados demais respondendo a um e-mail ou atualizando a página da rede social. Será que é melhor compartilhar a foto do filho com os amigos ou viver intensamente o momento dessa imagem? Quantas vezes perdemos momentos preciosos com as pessoas pelo vício de estar conectado ao mundo virtual? Por mais que tenhamos motivos precisamos ter em mente sempre que o virtual nunca irá substituir o verdadeiro prazer de estar com as pessoas.

Por isso, vamos buscar o equilíbrio. Vamos estar sim sempre conectados, mas conectados com o mundo real. Afinal, criamos regras de utilização das tecnologias para nossos filhos e não conseguimos criar regras de utilização para nós mesmos? Cada um sabe direitinho suas necessidades, mas também sabe onde pode melhorar. Não é nada fácil, mas não é impossível.
 
E você, consegue manter o equilíbrio? Que imagem você passa para os seu filho quando está conectado, de equilíbrio ou de excesso? Conte pra gente!
Comentários
8 Comentários

8 comentários:

  1. Eu sou desses viciados em algo que se tiver, curte. Tipo, quando eu fumava, eu acendi um cigarro por que eu tinha. Quando nao tive mais, nunca mais fumei. Eu era viciado em jogos por computador, quando deixei uma semana, nunca mais joguei... Internet nem se fala, mas eu equilibro...Porque cansa, cansa os olhos, o corpo... Eu tinha um amigo, que a mae dava de comer na boca dele porque ele nao conseguia para de jogar "Playstation".... Pasmem...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jorge! Também acho que cansa e quando chegamos ao ponto de ficar cansados é porque já passamos dos limites. Mas você deu um exemplo ótimo do que é extrapolar limites. Se uma mãe contribui para um comportamento ruim é esse comportamento que o filho vai ter na vida. Loucura isso! Abraços.

      Excluir
  2. Excelente, Gisa!!
    Sempre leio e acabo não comentando. A cada dia, seus posts estão melhor.
    Eu fico conectada o dia inteiro, mas não fico na frente do computador o tempo todo. Por aqui, tento desligar tv e ficar longe da internet enquanto curto minha filha. Mas trabalho de casa e ás vezes isso não é possível,
    Procurando escolas pra Manu, tenho pensado muito sobre tudo. E uma das coisas que vêm me perturbando a cabeça é a quantidade de coisas vazias são transmitidas às crianças. Como o valor das coisas está destorcido e o ter é melhor que o ser. As relações estão estranhas, distantes. Em tempos de facebook, sua imagem vale mais que suas ideias!
    Acho que a gente precisa repensar muito nossos hábitos. Todos eles!

    ResponderExcluir
  3. Oi Pati! Adoro quando você participa. Nós também temos em casa todos os tipos de conexões. Eu fico conectada em casa, mas também tento não ficar em frente ao computador quando estou com as crianças. Se preciso ou quero usar, aviso o que estou fazendo: "Estou trabalhando ou estou navegando". Fora de casa tento me controlar e aproveitar, mas cada pessoa tem uma realidade diferente um trabalho diferente. Meus filhos já me perguntaram uma vez: "Por que você pode ficar no computador todos os dias e nós não?" Expliquei que a grande diferença é o trabalho. Que um dia eles também farão uso do computador dessa forma e aí já terão aprendido a ter limites e equilíbrio. E eles entenderam.

    ResponderExcluir
  4. Equilibrio é a palavra-chave mesmo, Gisa! Às vezes sinto que passo do limite e saio até de perto pra nem dar vontade! Rsrsrsrsrsrsrsrsrs
    Sem dúvida não quero passar para meu filho que as conexões virtuais são mais importantes que as reais. Mas com tanta tecnologia a nossa disposição, a gente tem mesmo que se policiar!!
    Beijinhos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Myriam! E não dá pra negar que tem o lado bom, não é? Sem a internet e as tecnologias eu não teria conhecido nenhum de vocês. E olha que já conheci tanta gente bacana. Esses dias, num encontro da Pais & Filhos conheci a querida Marina Breithaupt do Blog PetitNinos. Depois do encontro fomos para um café bater papo. Transformamos o virtual em real. Mas também me policio. Beijos

      Excluir
  5. Gisa parabéns pela reflexão que este post nos proporciona.
    As meninas estão num vício nas coisas tecnológicas, mas tento mostrar que existe muito prazer fora das máquinas, que as pessoas reais são muitas vezes mais legais, que passeio com contato com natureza é interessante e muito prazeroso também, mas vou confessar as vezes é difícil.
    Só acesso a noite o computador depois que elas entram pro quarto para dormir, mas o celular ponho o pé em casa e elas pedem para brincar, ai tento dosar. Encontrar o equilíbrio é grande missão.

    Tri-beijos Desirée
    http://astrigemeasdemanaus.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Desirée, não é moleza não! Principalmente porque a gente também gosta e as crianças percebem o nosso fascínio. Os meus começaram os joguinhos na internet com 4 anos e agora que estão com 7 eles têm acesso a tudo, inclusive precisam fazer pesquisas da escola na web. Como determinamos regras, dias e horários para usar eles pesquisam e desligam. Quando agem assim nós elogiamos imediatamente e reafirmamos a necessidade do equilíbrio dizendo por exemplo: "Vejam quantas coisas vocês fizeram pela manhã. Imaginem quem só fica no computador?" Penso que é bom fazer pensar. Não é fácil e cansa, mas funciona. Quando fazem alguma birra ou desafiam o combinado aí a gente tira e pronto. Da próxima vez sabem que vão perder. Imagine as três conectadas? Deve ser uma loucura! Beijos

      Excluir