quarta-feira, 26 de junho de 2013

O que cada um pode fazer agora, por um futuro melhor? #protestomaterno

Após inúmeras manifestações dentro e fora do país nos últimos dias, uma das exigências dos brasileiros era derrubar a PEC 37. Se aprovada a proposta, o Ministério Público deixaria as investigações criminais a cargo das polícias Federal e Civil. A proposta foi acusada de beneficiar criminosos. Mas na noite de ontem, 25 de junho, o plenário da Câmara dos Deputados derrubou a proposta por 430 votos contrários, 9 votos a favor e 2 abstenções. A votação foi acompanhada por dezenas de pessoas presentes e milhares de pessoas em casa e no trabalho.


#protestomaterno
Em meio a tantos protestos, nas ruas e nas redes sociais, as pessoas estão sendo convidadas a fazer alguma coisa que não só protestar. Em todo o processo de transformação, alguns sabem direitinho o que fazer, como se comportar, o que dizer, o que escrever e, mais ainda, como influenciar os outros a sair da zona de conforto e se posicionar. Mas como qualquer outro país, não só porque somos o Brasil divertido, amigável e com um "jeitinho" próprio, encontramos no meio da multidão, nos meios de comunicação e nas redes sociais todo o tipo de pessoa, comportamento e conhecimento. Esse é o nosso país e precisamos lidar com isso.
 
Por isso convido você a refletir sobre tudo que estamos vivendo e, além de protestar, mudar seu comportamento, se for preciso, e influenciar essa mudança nos outros. Isso não significa somente sair as ruas, mas buscar informações e pensar em quem você vai votar nas próximas eleições. Exigir melhorias na escola nos seus filhos, no seu bairro, na sua cidade. Não estacionar em vagas de idosos e cadeirantes. Respeitar e estimular o uso das ciclovias. Agir com ética, dizendo não ao "jeitinho brasileiro" em qualquer situação que possa parecer banal. Reciclar seu lixo de verdade e devolver o troco ou qualquer valor que não lhe pertença. Repensar o consumo de produtos, serviços e informações que não tenham os mesmos valores éticos que os seus.  
 
Ontem, pela primeira vez tirei uma parte do dia para assistir a TV Senado e posso dizer que vale a pena, mas não basta. É preciso muito mais informação para conhecer e entender por quem e como nosso país está sendo governado. Não é preciso entender de política, mas necessário entender a política. Não é fácil mudar nosso comportamento, mas é necessário.
 
E você, acredita que podemos promover melhorias individualmente?
Comentários
4 Comentários

4 comentários:

  1. Gisa,

    Eu acredito piamente que mesmo as mudanças mais grandiosas devem acontecer de dentro para fora. São o comportamento e a consciência individual que transformam o mundo.
    Educar-nos, educar nossos filhos para, um passo após o outro, mudarmos o país.
    O respeito, a solidariedade, a ética...tudo isso colabora para o progresso!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Pati! Também acho que as mais grandiosas são as que acontecem de dentro pra fora. Obrigada por sua participação. Beijos

      Excluir
  2. Olá Gisa. Muito bem observado.
    O que não sai da minha cabeça é de que adianta achar que é revolucionário e protestar e continuar furando fila, achar vantagem em comprar algo muito barato de alguém que está apertado, falar mal dos outros, tentar passar a perna em algum concorrente, SE ACHAR MELHOR DO QUE O OUTRO? Não adianta de nada! Enquanto você não amar o seu próximo como a si mesmo, não adianta de nada.
    Tá faltando amor, se colocar no lugar do outro. Deixar de pensar que se tá bom pra você pouco importa se tem gente sem médico, sem abrigo, sem seja lá o que for, porque eu ouvi isso de pessoas bem próximas e me entristeci demais com essa realidade.
    Quando esse tipo de pensamento mesquinho tiver fim creio que tudo será bem, mas bem melhor mesmo! Aí o progresso acontece! Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Juliana! A maior revolução está dentro do ser humano. É a mudança mais importante, porém a mais difícil. Como você mesma disse, aí o progresso acontece! Beijos e obrigada por sua participação.

      Excluir