segunda-feira, 6 de maio de 2013

Não nascemos prontas! Não nascemos mãe! - Por Pati

Não nascemos prontas! Não nascemos mãe! É uma construção. Um aprendizado contínuo, edificante, transformador.

Quando recebi a notícia da gravidez, sofri. Sofri por achar que não daria conta. Por não me sentir capaz. Por temer a instabilidade. Por temer fazer alguém inocente sofrer. Não estava nos meus planos naquele momento. Egoísta e fraca, temi o futuro. O meu. O dela. O nosso. Foram nove meses de sentimentos extremados. Ora alegria. Ora tristeza. Ora expectativa. Ora medo. Ora medo. Ora medo. Ora medo.

E Manu nasceu. Seu choro fez meu corpo, ainda anestesiado, estremecer. Coração veio à boca. As lágrimas, aos olhos. Fui tomada por um amor indescritível. Incomensurável. Não via mais o meu futuro à frente. Apenas o dela. Naquele instante, tive a certeza de que nada mais seria igual. De que eu não seria mais a mesma.
 
Pati e Manu
 
E assim foi. Ou melhor, está sendo. Chegando a casa, toda a fragilidade típica – financeira e emocional – de um casal recém-casado foi posta às claras. A vida a dois, os planos, o romance, as viagens, a conquista da estabilidade... Tudo foi revisto, repensado. Foi preciso guardar este universo ainda não vivido em algum cantinho especial e ceder espaço às fraldas, às mamadeiras, aos choros e às noites mal dormidas.
O rostinho jovem, com corte de cabelo em dia, unha feita e roupas dá moda deram lugar a olheiras profundas, cabelos despenteados, unhas quebradas e roupas largas. O olhar já não é mais o mesmo. Nem mesmo as vontades. Muito menos as prioridades. As antes românticas e descompromissadas noites de sábado transformaram-se em horas incalculáveis tentando acalmar um bebê que chorava, aparentemente, sem qualquer motivo. E quando dormia, tudo o que desejava era, também, alguns poucos momentos de repouso. Para, em breve, recomeçar.

Tudo isso soa pesado. E foi. Soa cansativo. Também foi. Soa ruim. Não. Ruim não foi. Foi duro, sacrificante e, de alguma forma, bom. A recompensa é rápida. Está no olhar terno que recebe ao niná-lo. No sorriso ao acordar. Na bagunça. Na saúde que esbanja. Nos gritos de alegria. Nos carinhos. No amor que sente e que te faz explodir.

Claro que a maternidade é dura e exige demais dos pais e quem espera o “comercial de margarina way of life” irá, indubitavelmente, falir. E talvez este seja o maior segredo: saber que não é fácil. E mais! Saber que as fases passam numa rapidez meteórica. Então, relaxe, curta, sofra e grite por ajuda! Assumir uma dificuldade é extremamente digno e revigorante. 


A cobrança sobre nós, mães, é pesada. A meta é a perfeição, e a lista, extensa.  É a renda. A disponibilidade. A doação. A abdicação. O marido. A vida a dois. A vida profissional. Para aquelas que, diferente de mim, têm de voltar rapidamente ao trabalho, o sofrimento é ainda maior.

Conciliar tudo isso é tarefa de malabarista e no saldo final, o que mais se esbanja é a culpa. Por conviver inexoravelmente com ela, decidi aboli-la do meu vocabulário e conviver tão somente com o amor. Erros e acertos fazem parte da natureza humana e crescemos com atitudes acertadas e equivocadas de nossos pais. E sobrevivemos. Os nossos também sobreviverão. Decidi, então, mergulhar de cabeça nesse amor tão sublime e vive-lo, acima de tudo. E eu estou completamente submersa nele. Bebendo toda alegria que ele tem para me oferecer. Vivendo o paraíso de ser mãe da Manuela. Tentando, ao máximo, deixar os males do lado de fora, dançando conforme a música, embalada pela vontade de ser e de fazê-la feliz.

É um acordo tácito entre mim e meu marido, no qual companheirismo e franqueza nos sustentam. Falar, conversar, corrigir e progredir. Sabendo que não há males que durem para sempre e curtindo, especialmente, as inúmeras delícias de ter a princesa entre nós. É muito amor pela Manu. E é isso, sobretudo, que nos faz feliz. Sem mistérios, sem tamanho. Daqui ao infinito. Ida e volta. Infinitas vezes.


Pati é autora do Blog Confissões de uma Recém Casada e Mãe de Primeira Viagem. Mãe da Manuela. Acesse e confira!

Comentários
9 Comentários

9 comentários:

  1. Muito lindo!!! Parabéns. Viver intensamente a maternidade é muito gratificante!

    ResponderExcluir
  2. Muito verdadeiro! Apesar de toda a dificuldade, somos muito felizes!

    Beijos,
    Jamile
    Mãe para Mães
    www.maeparamaes.com
    Mãe Superbacana
    www.maesuperbaana.blogspot.com
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa dificuldade nos faz crescer, né? E nos ajuda ainda mais a encontrar o caminho da felicidade!
      Beijos

      Excluir
  3. Pati que postagem linda e verdadeira.

    Tri-beijos Desirée
    http://astrigemeasdemanaus.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Pati, obrigada por suas palavras. Muito bom ter as sua participação aqui no "Mãe bacana". Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  5. Pati,
    relato emocionante, escrito lindamente! Poesia em todos os sentidos possíveis, porque é assim como o amor que você descreve: infinito.
    Um beijo!
    Marusia

    ResponderExcluir