quarta-feira, 8 de maio de 2013

Mãe em construção - Por Lígia Pacheco

No princípio era eu com meus sonhos, desejos, valores. Depois, virei nós com laços matrimoniais e vi que também era bom. E então, viramos três e percebi que ser mãe era algo mágico e de grande responsabilidade. E logo, viramos quatro e notei que ter a própria família era deliciosamente bom.
 
Mas também me dei conta de que o “eu” do princípio já não existia mais. Mudei hábitos, gostos, valores e os planejamentos de vida eram pensados para mim e para além de mim. A vida passava a ser com-partilhada. Já não tinha a independência e a liberdade de outrora, mas pesando na balança era notório que valia a pena.

Gabriela, Ligia e Camila.
 
E a vida correu e nós crescemos e amadurecemos sempre em busca de harmonia. Crises, desentendimentos, dificuldades, dúvidas também tivemos. Mas, sobrevivemos, fortalecendo sempre os laços fundados no respeito, no diálogo, no compromisso e na construção do amor de um para com o outro.

Por muitas vezes, abri mão de mim, afetando minha vida pessoal e profissional. Nem sempre foi fácil esta escolha, mas eu a fiz de forma consciente e por isso, sem cobranças. Outras tantas vezes, percebi que educar os filhos era um educar-se constante. E, que para (trans)formar um ser era preciso tempo, dedicação, quantidade e qualidade de princípios, conhecimentos e ações num dia que só tem 24 hs.
 
Também notei que não bastava o coração. Era ainda preciso o estômago, pulmão, músculos, cérebro, coluna, corpo e alma por inteiro. E, ainda reunir, para além da própria profissão, todos os diplomas em um só ser: administradora, contadora, médica, enfermeira, dentista, professora, psicóloga, motorista, nutricionista, cozinheira, faxineira, engenheira, advogada, malabarista, animadora, ninja, entre tantos outras. Tudo isso virei ao ser mãe. Nada tranquilo, mas viva a potencialização do ser.

E num piscar de olhos as meninas cresceram, ampliaram seus recursos e bagagens, fortaleceram as asas e voam cada dia mais alto. O ninho vazio bate a porta, mas os laços continuam firmes. O coração e mente estremecem, mas dá muito orgulho, prazer e felicidade apreciar seus desenvolvimentos. Mais uma etapa, mais uma nova aprendizagem.

E vi que ser mãe é uma construção sem fim, deliciosamente humana. E, que transforma o “eu” em “nós” para sempre, por mais que os filhos comecem a própria história de que no princípio era eu com meus sonhos, desejos, valores... 

Ligia Pacheco é Assessora Educacional, Palestrante e Colunista na Revista Pais e Filhos, autora do Blog " Filhosofar" e mãe da Gabriela e da Camila.    Acesse e Confira!



 
Comentários
3 Comentários

3 comentários:

  1. Adorei! Estamos sempre correndo atrás do que vamos nos transformando minuto a minuto!
    Beijos,
    Aline

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando fazemos escolhas conscientes, fica mais fácil encarar os desafios.

      Excluir
  2. Adorei a "Filhosofia"! Texto profundo, bem escrito e lindo!
    Um beijo,
    Marusia

    ResponderExcluir