sábado, 4 de maio de 2013

Mãe de um, dois, três e já: da vida que não me imagino fora! - Por Kathleen Irizaga

Um dia, numa galáxia distante chamada adolescência, eu sonhava em ter um marido, filhos, uma família só minha. Confesso que pensava em um casal, idades próximas, aquela coisa meio propaganda de margarina... No entanto, a vida foi seguindo seu curso e nele as minhas caminhadas foram ganhando um novo formato.

Na formação pessoal, profissional, eu consegui concluir minha graduação em Pedagogia. Ao fim dela, desejei complementá-la com um curso de Especialização - Psicopedagogia Clínica. Porém, no início do último semestre de curso, engravidei pela primeira vez.

Então, tudo mudou. Desde o dia em que eu soube que seria mãe, minha vida foi invadida por vários sentimentos misturados: medo, prazer, expectativa, receios, tudo junto. Até ali, minha vida profissional dizia respeito à mim mesma, aos meus sonhos e planos relativos à aplicação prática das construções acadêmicas.
 
Manuela, Kathleen, Pedro Bernardo e Maurício
 
A vida às vezes nos prega peças surpreendentes... Aconteceu de eu mudar de cidade em razão da vida profissional de meu marido que veio a ser transferido. Acabei vindo morar na cidade em que nasci e pensava talvez nem voltar, trinta anos depois... Junto com a mudança veio o desafio de criar meu filho longe dos laços mais próximos como o de avó e tia. Aquilo que parecia algo difícil, aos poucos foi se transformando em força e crescimento. Passei a me conhecer como uma mulher-mãe, capaz de cuidar de um pequeno bebê e ao mesmo tempo ir levando a vida adaptada à presença dele junto nas vinte e quatro horas dos sete dias da semana.

Uma simples ida na dentista tinha que ser acompanhada de meu primogênito - pois eu me recusava a ter uma babá e então arcava com os contratempos de carregar bebê para todo o lado. Nos primeiros anos, fui aprendendo que minhas possibilidades iam pouco a pouco se ampliando. Eu aprendi a adaptar coisas simples, como tomar banho por exemplo - levando o moleque para dentro do box, brincando na banheirinha dele enquanto mamãe usava o chuveiro grande.

Mudei minha condição de alimentação. Antes de ser mãe costumava fazer lanches ou mesmo jantar à noite em várias vezes da semana. Pela falta de opções ou pela falta de tempo, era tudo muito corrido. Depois que nasceram os filhos, aprendi a cozinhar, me preocupar mais com a minha alimentação e a deles (aliás, na primeira gestação busquei acompanhamento com médico nutrólogo porque desejava uma gravidez saudável e um bebê nutrido de verdade).

Em termos financeiros, a vida do casal modifica muito. Principalmente no que diz respeito ao ingresso na escola - parte que considero a mais cara. Eu gosto de comprar roupas para o trio - (sim são dois meninos e uma princesa!) e procuro equilibrar entre peças de lojas grandes com grifes menores, mas que aprecio a qualidade ou feitio das roupas. Não gosto da ideia de lotar agenda de criança, aliás, acho que criança deve ter a escolaridade como prioridade e então adaptar poucas atividades extras. Aqui em casa, além da escola, investimos em educação musical para os maiores - é um custo relativamente baixo porque acontece uma vez por semana. As refeições fora de casa também sofrem alteração pois quanto maior a turma, mais oneroso fica, depois dos cinco anos deles, pois tem lugares que não cobram por crianças até cinco anos... Mas assim mesmo, ainda que em vezes reduzidas, almoçar e/ou jantar fora é realizado e de forma prazerosa como um momento de família.

A minha saúde parece que foi melhorando a cada gestação. Desde a primeira barriga até a terceira, só posso dizer que estive ótima ao longo de cada uma das trinta e sete semanas nos três momentos. Na primeira vez, engordei quinze quilos e demorei quase dois anos para recuperar minha forma anterior à gravidez. Na segunda vez, ganhei treze quilos e já me cuidei desde o princípio - fiz drenagem linfática, acompanhamento com fisioterapeuta, segui cuidando da alimentação. Voltei rápido ao peso normal, coisa de seis meses após o parto. Na terceira vez, ganhei doze quilos e parece que foi a melhor de todas as vezes - apesar de um corpo dez anos mais velho, havia vigor, eu me senti bem o tempo todo, não tive qualquer problema em nenhuma das vezes como anemia ou alta taxa de glicose. Eu costumo brincar que se dependesse do resultado da terceira gravidez sempre, eu teria mais um bebê. Mas definitivamente, quero curtir meu trio e este número está de excelente tamanho!

Posso dizer de todo o meu coração que se nos idos da minha idealização inicial de família, havia espaço para duas crianças, a vinda do terceiro só mostrou que eu poderia ter idealizado com um membro a mais! Casa cheia de criança é casa repleta de alegria, desafio, novidade, amor, bagunça, tanta coisa boa junta! Às vezes tem dias que eu quero pegar um expresso e ir dar uma passeadinha na lua e voltar na velocidade da luz, porque realmente a gente está mais cansada, mais tensa ou mesmo necessitada de um tempinho só para nós mesmas. Mas tem dias, que eu olho para o rostinho de cada um deles e dela e penso: quem seria eu sem vocês?

Kathleen Irizaga é carioca, já morou muito tempo em Porto Alegre e hoje mora no Rio de Janeiro. Formada em Licenciatura em Pedagogia, Pós-graduada em Psicopedagogia Clínica, autora de livros em alfabetização, mãe de três e autora do Blog "Mamy Tri".
 
Comentários
14 Comentários

14 comentários:

  1. Oii, linda

    A maternidade é uma bela opção de vida desde q seja como vc fez...consciente Nada de agenda lotada, criança estressada, excessos nunca dão certo.Criança tem q ser criança, simples assim !!!!!!

    Teus filhos são lindos.

    Beijinhos

    Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Ana <3! E tu vem acompanhando uma parte desta história! Este trio é um xodó! E eu sou uma Mamytri apaixonada demais!!! :)))

      Excluir
  2. A mulher quando é plena na sua escolha da gravidez sempre fica linda e consegue voltar ao que ela elege como bom!!!

    Prosperidade!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Livia, eu acho que se pudesse, teria um filho atras do outro em cada ano, rsrsrsr, de tanto que amo ficar grávida...Ter este trio aqui para mim foi a dádiva mais maravilhosa que eu poderia receber dos céus... Obrigada pela visita aqui também! bjks!

      Excluir
  3. Só depoimento lindo!!! Adorando ler....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita por aqui também Trícia! bjks!!!

      Excluir
  4. Ana, Lívia e Trícia! Obrigada pela participação. Beijos, Gisa

    ResponderExcluir
  5. Kathleen, Obrigada pelo seu texto. "Casa cheia de criança é casa repleta de alegria, desafio, novidade, amor, bagunça, tanta coisa boa junta!"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gisa, muito obrigada pelo convite de estar aqui neste site megabacana! Se chamar, voltarei com certeza! bjks! :)))

      Excluir
    2. Que bom que gostou. Vamos repetir a dose. Beijos

      Excluir
  6. Que lindo! Que linda! Que filhos lindos! Que linda história!

    Beijo Keth!

    Beijo Gisa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Sheronh! :)))bjks pra ti tb!

      Excluir
    2. Oi Sheronh! Beijo pra você também e obrigada por visitar o "Mãe bacana".

      Excluir
  7. Também sou trimãe e adorei seu post!
    Um beijo,
    Marusia

    ResponderExcluir