segunda-feira, 20 de maio de 2013

Ainda não consegui o tão sonhado equilíbrio, mas busco a harmonia! - Por Rebeca Brício

Se me perguntasse: "e então, você é uma pessoa feliz após a maternidade?" eu responderia assim: "não é uma coisa que se diga, puuuuxa como sou feliz, mas estou vivendo". E porque isso?!!!
 
Não sei como foi o processo com outras famílias, mas com a gente, funcionou mais ou menos assim...  Meu companheiro sempre sonhou em ser pai e nem passava pela minha cabeça ser mãe. Sai pra lá cuidar de filho, ficar em casa com mil e uma coisas para fazer... essas coisas. E após quatro anos de relacionamento juntamos os trapos e a vida corria a mil maravilhas. Sem pai e mãe querendo satisfação eu me sentia a pessoa mais livre do mundo!!! De repente a menstruação atrasa um mês. Pronto. Estou grávida e confirmo com o teste da farmácia e com uma ultra no dia seguinte.
 
Meu mundo caiu!!! Marido ficou tranquilo como sempre, me deu força mas no fundo eu não sabia se estava feliz com a tão esperada paternidade. Me entreguei à gestação e fui a grávida mais feliz do universo! Marido não dava muita bola. #ciúme?

Rebeca, Gui e Rafael
 
Pari sozinha num hospital universitário porque o proibiram de participar, sofri violência obstétrica e desde então não sou a mesma. Acredito muito que o meu marido não tem a noção do que eu vivi durante a internação (pré-parto, parto e pós-parto). Sofro muito com as marcas dessa experiência e fico muito emotiva quando o assunto é parto e sei lá. Acabo precisando tocar no assunto para poder colocar toda a minha tristeza para fora.

Nunca conversamos sobre o tipo de criação que teríamos com o nosso filho. E nisso temos linhas diferente de criação. Acabo "passando o rodo" por ficar o dia todo com o nosso filho, mas acaba que nem interfere muito porque meu marido fica muitas horas fora de casa por conta do trabalho e quando está também não chega muito junto. Tudo acaba ficando por minha conta mesmo. Hunf!!! A única coisa que ainda o deixa estressado é o fato de ainda amamentar o nosso filho de 3 anos. Ele acha que tenho que parar para ontem.

A maternidade me mudou completamente, sou uma nova mulher. Me sinto muito realizada e feliz sendo a mãe do Gui e me vejo tendo mais filhos. Apesar da mudança ter atrapalhado um pouco o casamento, não me sinto tão culpada. Porque o fato de ter mudado um pouco a relação com o meu companheiro, a falta de tempo para ficar curtindo a vida a dois se dá pelo fato de que normalmente, tudo relacionado a casa e ao filho fica com a minha tarefa. Já tivemos algumas conversas sérias sobre isso. Se ele chegasse junto em relação ao filho, eu teria mais tempo para fazer outras coisas importantes, como ficar de bobeira com ele assistindo TV de conchinha como antigamente. Mas não, tenho que fazer zilhões de coisa, colocar o Gui para dormir e ainda ter disposição para mais outras cositas!!! Não sou de ferro, dá licença!!!

Confesso que não consigo ainda o tão sonhado equilíbrio. É, sou uma desiquilibrada de marca maior. Não dou conta dos afazeres domésticos #nãonasciparaisso e o fato de não conseguir ter voltado ao mercado de trabalho me frustra ao ponto de me entregar ao chocolate! (Então as finanças da casa sugam o salário do marido, coitado!!! Cozinhar é a parte mais dolorosa pois não sei variar, mas preciso fazer porque meu filho precisa se alimentar, peito 24h sem comida não dá!!!

Enquanto não consigo voltar à trabalhar, vou vivendo essa minha nada mole vida de mãe, dona de casa e esposa. Não sou perfeita e diariamente tento fazer com que haja uma certa harmonia.
O nosso relacionamento não é como antigamente, mas no fundo, sei que iremos melhorar a cada dia com muita conversa pois estamos tentando mudar esse desequilíbrio. O nosso amor é muito forte e assim que essa poeira abaixar, resgataremos a nossa velha união.
Agora, temos que mudar logo antes que venham mais filhos. Risos...
 
Rebeca Brício é casada com Rafael, mãe de Gui e autora do Blog "Mãe que pariu".
 

 
Comentários
11 Comentários

11 comentários:

  1. Olá, Rebeca! Filho muda tudo mesmo. E conseguir o equilíbrio é uma luta diária. Mãe prioriza a cria. Pai nem sempre compreende essa simbiose. Mas acho que tudo pode ir se resolvendo com muito diálogo. O tempo sempre é o senhor das nossas vidas! Tudo vai se encaixar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente Myriam. Aos poucos nossa vida vai entrando nos eixos. :)

      Excluir
  2. Rebeca,
    Depois que filho nasce, a vida vira do avesso. Não sei se há receita certa para que tudo flua bem, mas, com certeza, o amor aliado à compreensão, ao diálogo e à paciência nos ajuda a tomar de volta as rédeas dessa vida tão maluca.
    Persista nisso que, com o tempo, encontrará o seu equilíbrio e o da sua família!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pati, o diálogo é extremamente importante. Por um bom tempo, guardei os meus sentimentos e frustações em relação à falta de companheirismo com os cuidados do nosso filho. Um dia eu explodi (mas fui phyna, rsrs) e ele passou a enxergar meu ponto de vista e eu o dele.

      E desde então, a vida ficou mais fácil.

      ;)

      Excluir
  3. Acho importante o marido participar. Ninguém faz filho sozinha e a gente acaba se frustando se achar que da para tomar conta de tudo sozinha e ainda manter o relacionamento "acesso". Vejo muitas mães que estão fazendo tudo sozinhas, mas e os pais gente? E a parte deles?
    Adorei o texto. Relato sincero e real.

    Bjs

    www.maenavidareal.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Canso de falar para ele que eu apenas pari sozinha, mas não fiz!!! E que a responsabilidade dos cuidados com o nosso filho é de nós dois. Hunf!

      É, não foi fácil relatar isso. Mas, foi um desabafo mesmo.

      Excluir
  4. Rebeca, todos esses sentimentos por hora também nos acompanharam. Senão com o parceiro, com a sobrecarga. O bom de tudo é perceber que o amor está nas relações. Na relação com o filho, na relação com marido, na relação com a maternidade. Obrigada por seu depoimento sincero.

    Obrigada Myrian, Pati e Aline pela contribuição. Beijo grande

    ResponderExcluir
  5. Oi, Rebecca,
    tudo ainda está muito novo e vivo na sua mente, por isso a sensação de "desequilíbrio". O mais importante vc já está fazendo: tendo consciência das transformações, em busca de harmonia.
    Um beijo,
    Marusia

    ResponderExcluir
  6. A.M.O essa família! E é tão bom tê-los mais perto! Super Gui é incrível, feliz, exxxxperto, (levadoparacáááiiiii!) e a culpa é a maternagem que vc Beca, pratica!

    Muitos beijos com muita alegria!

    ResponderExcluir
  7. E quem é perfeita, fia de Deus?!!.............ninguém! Alguém é com você?
    Aceitar isso é q é difícil!

    Valéria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se tudo fosse perfeito não precisaríamos nem compartilhar nossas histórias. Que graça teria, não é mesmo Val? Obrigada por participar. Beijo

      Excluir