sexta-feira, 3 de maio de 2013

A vida depois dos filhos - Por Desirée Tapajos

Formada em Análise de Sistemas, mestra em Ciência da Computação, MBA em Gestão de Pessoas e atuando como Analista de Teste de Software, dei uma gás na carreira antes de ter filhos. Isso não significa que parei nos estudos, mas eles ficaram mais difíceis com a chegada do trio. Isso mesmo, um trio! Agora não consigo fazer tantos cursos como fazia antes, mas vou tentando me atualizar da forma que dá. Tenho que negociar com a babá e com minha mãe para poder ficar lá em casa enquanto estou fora estudando, então as coisas tem que ser mais planejadas.


Desirée, André e seu trio alegria

A maternidade trouxe muita alegria para mim e para toda minha família e as minhas meninas me ensinam todos os dias a ser uma pessoa melhor. Me ensinaram a ter paciência, calma, a respirar fundo, a esperar o tempo certo das coisas, a pensar nos outros, a ver o mundo de uma maneira totalmente diferente, me ensinaram a ser generosa, a me colocar nos lugares dos outros, a ser forte, corajosa, guerreira, mas principalmente me ensinam todos os dias a ser mais feliz.
 
Digo isso pois tenho que ter paciência quando todo mundo tem um palpite de como criar minhas filhas, pois tenho que respirar fundo quando as meninas estão a mil e tenho que ouvir que foi eu que fui procurar ter filhos, que tenho que aprender o tempo das coisas quando leio que o bebê de dois anos já pode ser desfraldado e as minhas meninas ainda usam fraldas para dormir e para sair, que às vezes acontecem acidentes mesmo estando em casa. Enfim, poderia escrever páginas e páginas para cada situação mencionada acima, mas acho que já deu para entender como minhas filhas me fizeram mudar.

Com relação às finanças, com a chegada das crianças os custos lá em casa subiram quase para a lua, pois não vieram só as 3 crianças de uma vez, vieram tios, avós, todos os outros parentes que carinhosamente sempre vêm visitar o trio, babás etc. Numa casa onde havia um casal que vivia relativamente tranquilo financeiramente, tivemos que sentar, planejar os gastos e mudar algumas prioridades. Hoje por exemplo não saímos com a mesma frequência que saíamos antes da chegada das crianças, não assistimos todos os filmes que são lançados no cinema, mas ainda assim somos tão felizes ou quem sabe diria que somos mais felizes do que antes, pois precisamos ajustar nosso orçamento, mas todo dia temos a alegria de encontrar aquelas coisinhas mais lindas do mundo fazendo uma festa tão grande quando chegamos ou chorando quando saímos, quando vamos trabalhar (isso é de cortar o coração), pois ouvimos cada “pérola” delas que nos fazem ficar sem chão. Morrer de rir, de ver lindos gestos de carinho entre elas e conosco que fazem nosso coração transbordar de tanta felicidade.

Baseado no que foi relatado acima consequentemente mudou minha relação com meu marido. Antes éramos namorados 100 % do tempo, agora nós não somos namorados 100% do tempo, somos namorados com hora marcada (risos). Isso porque as crianças tem ciúmes da gente, então não podemos nos beijar na frente delas que elas fazem a maior confusão, posso? quando queremos ficar só nós dois temos que agendar o dia da saída, esquematizar quem ficará com as crianças para sairmos. Não sobra tanto dinheiro para fazer loucuras, sim elas ainda acontecem, mas até elas são planejadas, pois se não forem planejadas pode faltar o essencial. Mas diria que minha relação ficou melhor pois sei que posso contar com meu marido nos cuidados com as crianças, nos cuidados da casa, nossa relação ficou mais madura, mais companheira, mais amiga.
 
Rafaela, Mariana e Andressa
 
Com relação à saúde passei os 2 primeiros anos da vida da minhas meninas pensando exclusivamente nelas. Sim eu só marcava consulta para elas, e como saía para levá-las para vacinar, pediatra, odontopediatra, oftalmologista...Ficava com vergonha de pedir no trabalho para sair para uma consulta para mim. Depois dos 2 anos, como as consultas ficaram mais espaçadas, resolvi que era a hora de cuidar de mim. Marquei médico para fazer exames de rotinas, por elas mudei minha alimentação, porque comia muito errado, estava enorme (ainda estou, mas isso vai mudar), mas comecei a fazer exercícios, a comer verduras e frutas, pois quero ver minhas filhas crescerem.

Com relação à felicidade acho que ela é feita de momentos e que temos que aproveitar cada instante da nossa vida, pois não sabemos se no instante seguinte estaremos aqui, se teremos uma nova oportunidade de ser feliz.

Desirée Tapajós é autora do Blog "As trigêmeas de Manaus", mãe da Mariana, da Andressa e da Rafaela e casada com o André.  Acesse e confira!
Comentários
6 Comentários

6 comentários:

  1. Respostas
    1. Olá Toninha! Obrigada pela visita no Mãe bacana! A Desirée e o André capricharam, não é mesmo? Beijos

      Excluir
  2. Gisa foi um enorme prazer no seu blog "Mãe Bacana".

    Desejo a todas as mães um mês de muito paparico mais que o normal :) e que nossos melhores presentes que são nossos filhos no dêem orgulho e sejam felizes, pois desta forma também seremos felizes.

    Tri-beijos Desirée
    http://astrigemeasdemanaus.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O prazer está sendo nosso. Ótimas histórias, ótimos textos, ótimas parcerias. Beijos

      Excluir
  3. Acho que a maioria das mães irá se identificar com o seu texto Desirée..adorei o "namorar com hora marcada", passa a fazer parte da vida do casal hein rsrsrs
    Realmente, pelos filhos mudamos, nos tornamos pessoas melhores para que sejamos o melhor exemplo para eles.
    Adorei o texto!
    Beijos,
    Larissa Andrade.

    http://maternidadeecotidiano.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Muito lindo
    Muda mesmo ter um bb em casa, imagine tres rss
    Lindas as meninas
    Amei Desireé
    Bjus
    http://segredosdaluma.blogspot.com.br/2013/05/

    ResponderExcluir