terça-feira, 24 de abril de 2012

A Fada do Dente deu as caras!

Então... a fada do dente deu as caras!


 
Os meninos começaram com os dentinhos moles. Contamos diversas estórias e comentamos sobre os dentes dos amigos que já caíram ou sobre os que estão na mesma situação.

A vida de gêmeos é repleta de comparações. Comparações feitas pelos outros e comparações feitas por eles mesmos. Com a etapa do dente não é diferente e isso também é um dilema. "Por que o dente dele cai e o meu não? Se nascemos no mesmo dia, comemoramos aniversários no mesmo dia, vivemos sempre juntos, ganhamos presentes no mesmo dia, como que o dente não cai no mesmo dia?"

Mas aí é que entram as explicações. "Vocês são gêmeos, nasceram no mesmo dia, comemoram aniversário no mesmo dia, vivem juntos, mas são pessoas diferentes. Tamanhos diferentes, aparências diferentes e gostos diferentes. Vocês não se lembram, mas um sentou antes que o outro, um andou antes que outro e assim as coisas foram acontecendo e vão continuar acontecendo de formas diferentes. E esse é o grande barato de ser gêmeo. Cada um no seu tempo. E a gente precisa saber esperar."

Como a Avó esteve nos visitando, quis logo resolver a parada. Pensando em como fez com a filha, resolveu amarrar uma linha de bordar no dentinho do menino e registrar, mais uma vez, seu nome na história. Não teve outra. Em poucos dias o dente estava laçado! Nem o Woody teria tanta habilidade. O sangue correu, mas um sorvete resolveu. Rumo a escola com a "janelinha" à mostra.

E o outro? O outro, não menos importante, estava no quarto esperando que alguém fosse dar uma explicação pra tamanha felicidade. A Avó, enlouquecida, dizia que a fada do dente traria uma lembrança pra aquele que perdeu o dentinho. "E eu, não vou ganhar nada?" Perguntou o irmão. "Vamos ver". Respondi prontamente.

Enquanto estavam na escola a Avó quis correr na livraria e procurar um presente pra cada um. Queria marcar presença e reafirmar a estória da fada do dente, mas não queria deixar o irmão sem nada. Depois de muito pesquisar, pensamos: Dá pra presentear os dois com um livrinho sobre os dentes, já que ambos estão esperando a visita da fada e presentear apenas um pelo dente arrancado. "Isso mesmo!" Falou a Avó.

Depois conversamos muito sobre isso. Como nos preocupamos sempre em como o "outro" vai reagir. Mas a vida é assim. Temos que aprender a trabalhar nossas frustrações. Foi assim quando o irmão andou de bicicleta e foi assim com o dente. Cada um tem o seu momento. Tem que aprender a esperar. Esperar não pode ser difícil. Esperar pode ser bom. Esperar pode ser divertido. Esperar faz parte da vida.

A Avó presenteou os dois, leu a estória e explicou que esse era o momento de um deles. Que a fada voltará. Foi mágico e divertido.

Percebo que muitas vezes que quem não sabe esperar somos nós. Queremos resolver tudo. Proteger de tudo. Não damos o devido tempo nem para os nossos pensamentos maternos se posicionarem e nosso cérebro dar a devida solução.

Mãe também tem que aprender a esperar.


Comentários
1 Comentários

Um comentário:

  1. Oi Gisa! Adorei o post. Realmente foi muito legal e emocionante para todos nós. beijos.

    ResponderExcluir