segunda-feira, 28 de novembro de 2011

A Convivência com os Avós

Não é de hoje que venho percebendo que alguns pais, principalmente as mães, não estimulam muito a convivência dos seus avós ncom os seus filhos. Acham que eles interferem demais na educação e nos cuidados das crianças. Tenho ouvido, até com certa frequência, lamentos de alguns avós de não poder conviver com os netos tanto quanto gostariam, pois seus filhos não os dão essa chance.

É fato que alguns avós realmente interferem nos cuidados e na educação dos netos dando palpites. Isso acontece muito quando a criança acabou de nascer, talvez acreditando que os pais ainda não tenham experiência. Acontece quando a criança fica doente, talvez acreditando que o melhor seria fazer compressas do que ministrar um antibiótico receitado pelo pediatra. Quando a criança faz "birra"que quer algo e os pais impõe limites. Dentre várias outras situações onde existem pontos de vistas diferentes, levados pela diferença de gerações.

Com muita paciência e com uma conversa direta com os avós é possível chegar a um acordo para que essas interferências diminuam e, mais importante, não se tornem conflitos. Eu mesma já passei, e passo, por situações desse tipo com os meus pais e meus sogros. Tanto eu quanto meu marido costumamos deixar claro que, em alguns casos, não permitimos que eles nos tirem a autoridade. Não que isso elimine totalmente os palpites, mas nos mantem fiéis aquilos que acreditamos ser o melhor para as crianças e para que elas saibam que o que é combinado é combinado, mesmo quando estamos diante de outras pessoas da família.

Os avós tem uma importância muito especial na vida dos netos. São eles que tem guardado na memória as histórias da família, as histórias dos seus pais, dos seus tios e dos seus primos com riqueza de detalhes. Quanto mais a criança conviver com eles melhor. Hoje, com a população envelhecendo mais tarde, encontramos avós super novos, exercendo a sua profissão, estudando e praticando esportes. Esses avós tem mais vitalidade para participar da vida dos netos, correndo, pulando, cantando, dançando e navegando na internet. Isso para as crianças é um prazer. Mesmo para os avós com cabelos brancos, que curtem uma cadeira de balanço, um joguinho de futebol pelo rádio ou um crochê, a tecnologia está presente e dando a oportunidade de aproximar ainda mais essas duas gerações.

Me recordo de momentos maravilhosos com meus avós. Todos os quatro muito diferentes em termos de personalidade, mas todos deixaram marcas profundas na minha vida. Freqüentemente recorro as fotografia para contar histórias da minha infância para os meus filhos e descrevo a todos como eram exatamente. O que faziam, o que gostavam e como viviam. Quero permitir que meus filhos possam ter suas estórias para contar da mesma forma que as tenho hoje.

Afinal, os avós não são apenas babás e motorista para aquelas horas em que estamos desesperados, são muito mais que isso. São peças fundamentais na vida de qualquer criança. Se seu filho tem avós, por que não aproveitar? Pense nisso!
Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. É verdade, Gisa. Avós são tudo de bom, mesmo. Eu curti muito os meus na minha infância e faço questão que o Rapha curta os dele agora. E vou falar, que ele está rodeado de avós babões e cheios de amor pra dar.
    Querida, obrigada pelo seu comentário. O melhor de receber comentários assim é perceber que não sou a única a pensar desse jeito...
    E preciso falar: que blog mais lindo o seu! Tô babando nesse seu plano de fundo e layout. Quem sabe eu não consigo me inspirar e mudar a cara batida do meu também...
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Ilana, Que legal que você gostou. O design foi feito pelo Caio Santos da http://caiobdesign.blogspot.com
    Ainda estou montando o blog e você foi a primeira pessoa a fazer um comentário. Ainda não divulguei pra ninguém. Valeu!
    Beijos!

    ResponderExcluir